PALAVRA DE DELEGADO
Atuação ativista do delegado de polícia
//////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
11/12/2017 - / Por Monique Patricia Ferreira Lima
 

 

No exercício da atividade de polícia judiciária, não raro o Delegado de Polícia se depara com limitações ilegítimas que inibem sua faculdade de interpretação e de criação de teses e até – por que não? – de jurisprudência. Há uma doutrina desarrazoada difundida que faz crer que não pode o Delegado inovar. Deve ele decidir dentro de um paradigma que cerceia sua reconhecida excelência jurídica. Não pode o Delegado reconhecer excludentes; não pode o Delegado interpretar a Lei; deve o Delegado prender; etc.

É, assim, o Delegado tratado como mero analista de notícia de crime, um registrador de ocorrências. 

Entender dessa maneira, desconsidera que a atividade de polícia judiciária possui papel essencial na persecução penal, visto que, em regra, a investigação fundamenta a denúncia do Ministério Público e até mesmo a sentença do magistrado. 

É o Delegado de Polícia a primeira autoridade a conhecer o fato criminoso, tendo a atribuição de analisá-lo juridicamente, a fim de promover a investigação criminal e a pacificação social.

O inquérito policial é, antes de tudo, um instrumento de realização dos ditames constitucionais, uma vez que, não sendo o Delegado de Polícia parte, por meio da busca da verdade, atua na defesa dos direitos e garantias individuais.

Em consonância com o artigo 2º, da Lei nº 12.830/2013, “as funções de polícia judiciária e a apuração de infrações penais exercidas pelo delegado de polícia são de natureza jurídica, essenciais e exclusivas de Estado”.

De acordo com o mesmo texto legal, o indiciamento passou a ser ato fundamentado, conforme se observa no parágrafo 6º do artigo 2º do referido diploma: “o indiciamento, privativo do delegado de polícia, dar-se-á por ato fundamentado, mediante análise técnico-jurídica do fato, que deverá indicar a autoria, materialidade e suas circunstâncias”.

Sendo o Delegado de Polícia uma Autoridade, com formação técnico-jurídica, que profere atos com natureza decisória, todos fundamentados, não cabe limitar sua atuação na persecução penal. É por meio da fundamentação que o Delegado torna transparente e legal sua interpretação jurídica dos fatos, efetivando direitos.

Com efeito, a investigação instrumentaliza a função do Delegado e a aplicação dos direitos fundamentais por ele evita procedimentos desnecessários. É assim a investigação criminal parte de uma ação garantidora de direitos, que tem por fundamento a busca da verdade e não uma pretensa preparação para um procedimento condenatório, como preleciona a visão monocular da doutrina inquisitorial da investigação criminal.

Em razão da evolução dos direitos fundamentais, dentro da nova ordem jurídica constitucional, não é outro o papel da Polícia Civil senão o de pacificadora social e de garantidora de direitos. De fato, não há como reduzir as atribuições da Polícia Judiciária à investigação criminal. São seus agentes os únicos a ter contato com os fatos concretos e com os atores da dinâmica de interesse para o Direito. Por essa razão, encontram-se habilitados para interpretar os fatos, aplicar a lei, entender pela existência de excludentes e, ainda, para realizar atividades de mediação de conflitos decorrentes das infrações criminais de menor potencial ofensivo.

Toda a sua atuação tem como corolário o princípio da devida investigação legal, concebido como o conjunto de direitos regentes da investigação policial que garantem a efetivação de direitos fundamentais a todas as partes relacionadas ao fato investigado.

A Constituição Federal de 1988 simboliza a transição do regime ditatorial na atuação do Delegado de Polícia. Entretanto, seu conteúdo material tornou-se insatisfatório para a resolução dos conflitos da sociedade contemporânea. 

O atendimento à força normativa da Constituição demanda harmonização entre as normas constitucionais, as cláusulas gerais, os princípios e as diferentes pretensões protegidas pelo texto constitucional. Esses conflitos não são exclusivos da fase processual, porém. Surgem, em regra, na fase pré-processual. Ou seja, na Delegacia de Polícia, demandando, portanto, a judicialização do inquérito, tornando-se, assim, campo fértil para o ativismo policial, ante à primazia da concretização dos direitos e garantias fundamentais, por parte da Autoridade Policial.

O princípio da dignidade da pessoa humana demanda uma atuação do Delegado de Polícia comprometida com a realização dos valores constitucionais, de modo a ser o filtro garantista dos fatos que ingressam em solo policial. Trata-se da postura ativista dos Delegados de Polícia.

Em sentido amplo, a Constituição é o filtro axiológico do sistema jurídico e de todo sistema processual e o Delegado de Polícia - como primeiro garantidor dos Direitos Fundamentais - é o seu primeiro intérprete, devendo, de maneira ativa, assegurar os valores constitucionais.

Processo Penal Democrático é aquele em que há observância dos direitos, impedindo arbítrios e ineficiência. Para tanto, é preciso que haja atribuição de relevo à atuação do Delegado de Polícia, por ser este o operador do Direito que recepciona a demanda em seu local de trabalho e a prepara para a persecução penal. Há que se ascender a figura do Delegado de Polícia, para que este exerça seu papel constitucional, assegurando a democracia e os direitos fundamentais, sem desconsiderar os anseios da sociedade.

Postula-se assim, sem que se ultrapassem os limites da segurança jurídica, uma atuação proativa por parte dos Delegados de Polícia, quer seja interpretando a Lei, quer seja na condução dos procedimentos presididos por ele.

A incompetência do Estado para lidar com os problemas do nosso sistema de justiça criminal abre uma margem perigosa para soluções imediatistas. A relativização de direitos e garantias fundamentais é uma delas. Em contrapartida, o fortalecimento das instituições de Polícia Judiciária representa uma escolha legítima. Com a ampliação das prerrogativas e atribuições do Delegado de Polícia, garante-se o direito das partes de forma rápida, atendendo às soluções dos litígios e às necessidades oriundas da limitação do Poder Judiciário.

 

São Paulo, 10 de dezembro de 2017.

 

 
 
 
 
1
19/4/2018 -
Impactos jurídicos da Lei nº 13.641/2018 e o novo crime de desobediência de medidas protetivas

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

2
19/4/2018 -
Conjur publica artigo sobre Lei 13.546/17 e dolo eventual como exceção nos crimes de trânsito

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

3
17/1/2018 -
O Delegado de Polícia e sua legítima atuação como intérprete das leis e da Constituição

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

4
9/1/2018 -
A impunidade decorrente da audiência de custódia

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

5
19/12/2017 -
Moderna Visão do Indiciamento Penal no Curso Investigativo

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6
11/12/2017 -
Atuação ativista do delegado de polícia

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

7
21/11/2017 -
Polícia Judiciária como Função Essencial à Justiça Penal

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

8
7/11/2017 -
O Mito do TCO e a visão majoritária do STF

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

9
25/9/2017 -
Marcos Buarraj Mourão no 'Entrevista da Semana' do Jornal da Cidade

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

10
23/7/2017 -
Raquel Kobashi Gallinati sobre a PL que permite delegados aplicarem Medidas de Proteção a vítima de violência doméstica

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

11
3/7/2017 -
Rodolfo Queiroz Laterza em resposta à coluna "Tendências e Debates", da Folha de S. Paulo

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

12
13/6/2017 -
Henrique Hoffmann Monteiro de Castro para Consultor Jurídico

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

13
1/1/2017 -
Alexandre Del Nero Arid fala sobre Polícia Judiciária e Constituição para Diário da Região

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

14
1/1/2017 -
Francisco Sannini Neto em artigo que reflete sobre a importância da autonomia da polícia judiciária

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

   
   
   
   



SINDICATO DOS DELEGADOS DE POLÍCIA DO ESTADO DE SÃO PAULO
sindpesp@sindpesp.org.br | 11-3337-4578




   
     
  + VISITADAS nos últimos 30 dias  
   
     
  PEC 05 é aprovada em 1º turno na Assembleia Legislativa de SP  
.
  /////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////  
     
   
     
  Delegados entregam 10 reivindicações ao governador  
.
  /////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////  
     
   
     
  Após evento no Palácio, SINDPESP e ADPESP solicitam reunião com França para debater questões vitais para a classe  
.
  /////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////  
     
   
     
  ALESP - Organização das polícias é debatida na Alesp  
.
  /////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////  
     
   
     
  SINDPESP e ADPESP participam de Seminário Internacional sobre a unificação das Polícias  
.
  /////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////  
     
   
     
  Luiz Flávio Gomes apoia transferência da PC para a pasta da Justiça  
.
  /////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////