PALAVRA DE DELEGADO
O Mito do TCO e a visão majoritária do STF
//////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
7/11/2017 - / Por
 

Rodolfo Laterza – Presidente da Fendepol
 

O MITO DO “TCO”: ANÁLISE RACIONAL E TÉCNICA DA ATRIBUIÇÃO PARA LAVRATURA DO TERMO CIRCUNSTANCIADO DE ACORDO COM POSIÇÃO MAJORITÁRIA DO STF

Recentemente  veiculou-se  em  redes  sociais  e  até  em  ensaios  de  alguns  jornais julgamento ainda não submetido a plenário, em caráter monocrático, do Ministro Gilmar Mendes acerca da ampliação do conceito de “autoridade policial”a qualquer servidor integrante de carreiras previstas no artigo 144 da Constituição Federal para fins de definição da atribuição legal acerca da lavratura do termo circunstanciado, procedimento deflagrado nos casos de infração de menor potencial ofensivo na forma do que prevê a Lei 9099/95 em seu artigo 69, compreendendo as infrações penais  cujas penas abstratamente cominadas não ultrapassem 2 (dois) anos.

Porém  o  que se desconsiderou plenamente na  difusão  desta  informação,  talvez  por propósitos  corporativistas  ou  desconhecimento  do  sistema  constitucional  vigente,  foi  que  esta posição monocrática do Ministro Gilmar Mendes, além de ser somente um precedente, contraria frontalmente a jurisprudência amplamente majoritária do próprio Supremo Tribunal Federal.

Inicialmente, urge ressaltar (até em nível redundante)  que   as   atribuições   de   polícia judiciária e investigação de crimes comuns incumbem à Polícia Civil e à Polícia Federal, dirigida por Delegado de Polícia (art. 144, §4º da CF, art 4º do CPP e art. 2º, §1º da Lei 12.830/13). Outras instituições como as Polícias Militares e as Polícias Rodoviárias Federais possuem clara atribuição constitucional delimitada em alcance e sentido, qual seja, respectivamente, a preservação da ordem pública e o policiamento ostensivo e o patrulhamento ostensivo das rodovias federais, bem como ações administrativas de fiscalização do tráfego e trânsito na infraestrutura rodoviária da União.

Mesmo o discurso contra a impunidade não pode justificar a mitigação irresponsável de direitos fundamentais e a escancarada afronta à divisão de atribuições. A investigação formalizada pela Polícia Judiciária atende a uma função de salvaguarda da sociedade, manifestando-se como um freio aos excessos da perseguição policial. Dessa forma, a perseguição do crime pode e deve ser feita sem necessidade de ultrapassar os limites de atuação dos órgãos estatais.

Cabe destacar também que a repartição orgânica de atribuições, o princípio da legalidade e a competência do ato administrativo impedem que qualquer outro agente público diverso do Delegado de Polícia exerça a função de Autoridade Policial. É a inteligência do art. 37 da Constituição Federal, dos arts. 2º, 11, 13 e 53 da Lei 9.784/99, art. 2º, a da Lei 4.717/65, e dos arts.

1º e 2º do Código de Conduta para os Funcionários Responsáveis pela Aplicação da Lei (Resolução 34/169 da ONU). Cuida-se de garantia do cidadão, no sentido de que na investigação criminal os fins não podem justificar os meios e a pessoa investigada não pode ser colocada na condição de objeto.1

O Supremo Tribunal Federal possui posição pacífica, fruto de diversos julgados do Plenário, no sentido de que nenhum outro agente público está autorizado a exercer função de Autoridade Policial (ADI 2427, Rel. Min. Eros Grau, DJ 30/08/2006; ADI 3441, Rel. Min. Carlos Britto, DJ 09/03/2007; ADI 1570, Rel. Min. Mauricio Corrêa, DJ 12/02/2004). O Superior Tribunal de Justiça não destoa (RMS 37.248, Rel. Min. Mauro Campbell Marques, DJ 27/08/2013).2

O conceito legal de Autoridade Policial remete única e exclusivamente ao Delegado de Polícia, sendo esta a previsão do art. 2º. § 1º da Lei 12.830/13, que também ficou assentada no Parecer no Projeto de Lei do Senado 316/95, elaborado pelo congressista e constitucionalista Michel Temer.

Outro não poderia ser o rumo legislativo, ao se considerar que o Delegado de Polícia pertence a uma carreira jurídica, como deixou bem claro a Corte Suprema por meio do Tribunal Pleno em várias oportunidades (ADI 3441, Rel. Min. Carlos Britto, DJ 09/03/2007; ADI 2427, Rel. Min. Eros Grau, DJ 30/08/2006; ADI 3460, Rel. Min. Ayres Brito, DJ 31/08/2006). Diversamente do patrulheiro, que consiste em agente da Autoridade Policial, assim como os milicianos, segundo a visão do STF (RE 401243, Rel. Min. Marco Aurelio, DP 18/10/2010).

Noutro   passo,   sabe-se   que   o   termo   circunstanciado   de   ocorrência   é   um   dos procedimentos policiais que materializam a investigação criminal, existindo inclusive expressa previsão legal nesse sentido (art. 2º, §1º da Lei 12.830/13).

Neste diapasão, cumpre asseverar que o sistema processual penal pátrio não autoriza a Polícia Rodoviária Federal ou a Polícia Militar a lavrar termo circunstanciado de ocorrência, porquanto a atribuição para conduzir a investigação criminal é outorgada ao Delegado de Polícia. Qualquer acordo em sentido contrário reveste-se de evidente inconstitucionalidade.

O Tribunal Pleno do Supremo Tribunal Federal consolidou entendimento no sentido de que à Polícia Farda da não incumbe a apuração de infrações penais comuns, não podendo, portanto, elaborar termo circunstanciado de ocorrência ou praticar qualquer outro ato de polícia judiciária:

A questão que me parece complicada é a transferência das funções para pessoas que não integram o cargo e que têm funções muito específicas. (…) Tenho medo de que o desvio de função, algo inaceitável no sistema administrativo, esteja sendo legitimado. (Min. Carmen Lúcia).

1 Vide HOFFMANN, Henrique. Atribuição para confecção de Termo Circunstanciado de Ocorrência. In: HOFFMANN, Henrique. et al. Investigação Criminal pela Polícia Judiciária. Rio de Janeiro: Lumen Juris. 2016, p. 129-136.

2 ZANOTTI, Bruno e SANTOS, Cleopas Isaias. Delegado de Polícia em Ação. Bahia: Editora Juspodium, 2017.

O problema grave é que, antes da lavratura do termo circunstanciado, o policial militar tem de fazer um juízo jurídico de avaliação dos fatos que lhe são expostos. É isso o mais importante do caso, não a atividade material de lavratura. É que, quanto a esse tal de termo circunstanciado a que se refere o artigo 5º, das duas uma: ou não é atividade de policia judiciária, ou é atividade de policia judiciária (Min. Cezar Peluso).

O que se mostra grave, aí, são as consequências jurídicas que decorrem, exatamente, da elaboração do termo circunstanciado de ocorrência (Min. Celso de Mello).

É exatamente dessa avaliação jurídica. Isso que é grave (Min. Cezar Peluso).

Há consequências  jurídicas  severíssimas  pelo  preenchimento  de um termo  de ocorrência por uma pessoa que não tenha nenhuma formação para isso. Quem já militou na advocacia criminal, nas delegacias de policia, sabe muito bem o que ocorre com o termo de ocorrência mal formulado, mal redigido, mal identificado, mal tipificada a circunstancia que causou o termo de ocorrência (Min. Menezes Direito).

Parece-me que ele está atribuindo a função de polícia judiciária aos policiais militares de forma absolutamente vedada pelos artigos 144,§§ 4º, e 5º da Constituição (Min. Ricardo Lewandowski).

Tem-se, no artigo 144 da Constituição Federal, balizas rígidas e existentes há bastante tempo sobre as atribuições das Polícias Civis e Militares. No caso da Polícia Militar, está previsto que cabe a ela a polícia ostensiva e a preservação da ordem, mas não a direção de uma delegacia de polícia (Min. Marco Aurélio). Creio  que  as  duas  polícias,  civil  e  militar,  têm  atribuições,  funções  muito específicas e próprias, perfeitamente delimitadas e que não podem se confundir (Min. Ellen Gracie).

(STF, Tribunal Pleno, ADI 3614, Rel. Min. Carmen Lúcia, DJ 23/11/07).

Em julgado extremamente recente, no Agravo Regimental no Recurso Extraordinário 702617, relator ministro Luiz Fux, a Primeira Turma do STF  decidiu pela impossibilidade de lavratura de TC pela PM:

“(…).  ATRIBUIÇÃO  PARA  LAVRAR  TERMO  CIRCUNSTANCIADO.  LEI  9.099/95. ATIVIDADE DE POLÍCIA JUDICIÁRIA”.

Na decisão agravada do ministro Luiz Fux, constou:

“O Plenário do Supremo Tribunal Federal, ao julgar a ADI nº 3.614, que teve como redatora para o acórdão a Ministra Cármen Lúcia, pacificou o entendimento segundo o qual a atribuição de

polícia judiciária compete à Polícia Civil, devendo o Termo Circunstanciado ser por ela lavrado, sob pena de usurpação de função pela Polícia Militar”.

A decisão legitima o porque da existência da Polícia Civil e Federal no papel de polícias judiciárias estritamente imbuídas de função apuratória geral.

Esse entendimento é albergado ainda pela doutrina amplamente majoritária, a exemplo de Nestor Távora, Guilherme de Souza Nucci, Paulo Rangel, Julio Mirabete, Vicente Greco Filho, Fernando Tourinho Filho, Afrânio Silva Jardim, Alexandre Morais da Rosa, René Dotti e Rômulo Moreira.

Portanto, muita cautela na forma de se propagar como fato consumado um posicionamento isolado e que contraria julgados inúmeros do Supremo Tribunal Federal, sob pena de se produzir uma nova pós-verdade, tão comum nesses tempos imprevisíveis.

Rodolfo Queiroz Laterza, Presidente da Federação Nacional dos Delegados de Polícia Civil – FENDEPOL, Mestre em Segurança Pública.

 
 
 
 
 
1
7/11/2017 -
O Mito do TCO e a visão majoritária do STF

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

2
25/9/2017 -
Marcos Buarraj Mourão no 'Entrevista da Semana' do Jornal da Cidade

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

3
23/7/2017 -
Raquel Kobashi Gallinati sobre a PL que permite delegados aplicarem Medidas de Proteção a vítima de violência doméstica

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

4
3/7/2017 -
Rodolfo Queiroz Laterza em resposta à coluna "Tendências e Debates", da Folha de S. Paulo

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

5
13/6/2017 -
Henrique Hoffmann Monteiro de Castro para Consultor Jurídico

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6
1/1/2017 -
Alexandre Del Nero Arid fala sobre Polícia Judiciária e Constituição para Diário da Região

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

7
1/1/2017 -
Francisco Sannini Neto em artigo que reflete sobre a importância da autonomia da polícia judiciária

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

   
     
  + VISITADAS nos últimos 30 dias  
   
     
  Fantástico - Brasil enfrenta falta de delegados e tem delegacias caindo aos pedaços  
.
  /////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////  
     
   
     
  Anúncios do Governo sobre a Polícia Civil parecem boa vontade mas são obrigação  
.
  /////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////  
     
   
     
  Movimento certeza do castigo e o fortalecimento da Polícia Judiciária  
.
  /////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////  
     
   
     
  Anuário do Fórum de Segurança Pública confirma denuncia do Sindpesp  
.
  /////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////  
     
   
     
  Presidente do Sindpesp se reúne com vice governador  
.
  /////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////  
     
   
     
  Veja São Paulo - Alckmin nomeia 1240 policiais civis e autoriza abertura de vagas  
.
  /////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////